feminismo · leituras · relacionamentos

É amargo, mas deixa de doer.

Confuso, não? Porém, essa foi a reflexão que me peguei tendo após ler o livro ‘Amor Amargo’, da escritora Jennifer Brown. Não sabia sequer da existência desse livro, até meu aniversário, quando uma amiga me presenteou com um exemplar, do qual segue abaixo a sinopse:

“Último ano do colégio: a formatura da estudiosa Alex se aproxima, assim como a promessa feita com seus dois melhores amigos, Bethany e Zach, de viajarem até o Colorado, local para onde sua mãe estava indo quando morreu em um acidente. O Dia da Viagem se torna cada vez mais próximo, e tudo corre conforme o planejado. Até Cole aparecer. Encantador, divertido, sensível, um astro dos esportes. Alex parece não acreditar que o garoto está ali, querendo se aproximar dela. Quando os dois iniciam um relacionamento, tudo parece caminhar às mil maravilhas, até que ela começa a conhecê-lo de verdade.”

Livros com sinopses desse estilo e escrita simples são facilmente encontrados aos montes nas prateleiras da seção infanto-juvenil de qualquer livraria. Alguns se dão o trabalho de ler, outros repugnam até mesmo o cheiro do caráter comercial que esses livros vêm assumindo cada dia mais.

‘Amor Amargo’ não foge à regra. Não há nada de inovador na história de uma adolescente americana no ensino médio que não possuí autoconfiança e que vê sua vida se transformar após a aparição repentina de um cara que “incrivelmente” a nota. Então, o que há de especial no livro?

O especial do livro é exatamente esse: não há nada de inovador na história. Fora os conhecidíssimos padrões de vida estadunidenses, a história de Alex, infelizmente, pode ser a história de qualquer garota independente de idade, condição socioeconômica ou nacionalidade.

O Livro

A narrativa é desenvolvida nas relações de Alex com o pai, ausente e vazio desde a misteriosa morte da mãe, os melhores amigos de infância e o namorado Cole. A narração em primeira pessoa torna fácil a compreensão de como Alex lida com as ausências e, acima de tudo, com o namoro.

O namoro de Alex começa como qualquer história romântica cotidiana poderia começar, mas, em algum momento não especificado, o que parecia história de conto de fadas começa a apresentar características de filme de terror, daqueles que te deixam sem dormir.

“Como era possível que esse fosse o mesmo cara que tinha colocado a mão sobre a minha, como todo o carinho do mundo, dedilhando cordas de violão e transformando em música meu poema? Como era possível que essa fosse a mesma pessoa em quem havia depositado toda a minha confiança no topo do vertedouro?”

Cole agride Alex diversas vezes e a narrativa se transforma no conflito da personagem sobre pedir ajuda, perdoar e vários outros fios que vão se tecendo e se embaraçando, de forma a colocar qualquer leitor em desespero, com vontade de gritar com a personagem e implorar para que ela saia dali.

“Eu estava morrendo de vergonha. Não conseguia nem me imaginar contando aquilo para alguém. Aquilo me fazia parecer idiota, ingênua e carente, e eu sabia que não era nenhuma dessas coisas. Sabia que a explicação não era assim tão simples. Mas ninguém mais entenderia.”

Após várias situações similares, Alex, finalmente, consegue romper com todas as barreiras criadas pelos “e se” e os abusos psicológicos para pedir ajuda. Sinto muito se soou comospoiler, mas o fato é que, se você sabe como isso funciona na realidade, não foi spoileralgum. Na verdade, foi só mais um dos desfechos que esse tipo de história pode ter.

A Realidade

“Era como ver a mim mesma da entrada de um longo túnel escuro. A pobre garota na saída, esta sim estava arrasada, confusa e cheia de hematomas. E eu morria de pena dela, quem quer que ela fosse.”

Nesse trecho, mais do que em qualquer outro, fica claro que essa história não é apenas mera ficção. Essa não é apenas a história de Alex. Essa é também a história de Ana, Juliana, Camille, Frida, Jadde, Kiomi, Maria e tantas outras mulheres com tantas outras faces da mesma história para mostrar.

Quando li o livro, senti e re-senti coisas horríveis. Coisas com as quais me identifiquei e acabei recordando de situações extremamente dolorosas, coisas pelas quais nunca passei e que mesmo assim doeram muito, pois sei que há quem passe e também sei que, apesar de tudo, ainda corro o risco de passar simplesmente por existir nessa sociedade patriarcal, a sociedade que invisibiliza o abuso.

O abuso que se esgueira pelas mais diferentes classes, pelas mais diferentes culturas, com as mais diferentes máscaras. Máscaras de silenciamento e de dor. Diferente de um livro, não acaba na leitura da última página. Diferente da história narrada por Alex, nem sempre o fim significa recomeço. Mas isso não quer dizer que não possa ser assim.

A Luta

“A mamãe estava morta, e nada que fizéssemos poderia trazê-la de volta. Mas eu estava viva. No meu caso, ainda restava um fio de esperança.”

Não quer dizer que só porque não é Alex, alguém não possa fazer o mesmo que ela. Na realidade, precisamos procurar fazer como ela. Precisamos ensinar que é possível fazer como ela, que é possível pedir ajuda, que nós ainda estamos vivas. Nós ainda possuímos um fio de esperança.

Não é mágico e simples como escrever parágrafos. A luta é árdua e longa. Porém, é uma luta necessária para impedir que a regra dos amores amargos se perpetue eternamente e é por isso que a luta continua.

A verdade é que o amor pode, sim, ser muito amargo, mas que, mais dia menos dia, ele deixa de doer.

| Foto: Letícia Michalczyk |

Para conhecer mais sobre o livro Amor Amargo, clique aqui.

Anúncios

Um comentário em “É amargo, mas deixa de doer.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s